Ser paraense não é uma opção é uma paixão incontrolável! Sabores únicos e paisagens belíssimas, onde só quem conhece para saber o quanto pai-d'égua é o Estado do PARÁ...

Conheça as praias do Pará nas férias de julho

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Com um extenso litoral atlântico, e uma grande malha fluvial, o Pará tem centenas de praias, tanto oceânicas – localizadas na Amazônia Atlântica, pólo turístico no leste do Estado – como fluviais, estas em quase todos os rios.

Exceto em Belém, Barcarena e na região do Marajó, as praias fluviais são temporárias, e ocorrem no período de vazante dos rios, que varia conforme sua localização. Na Amazônia Atlântica, as praias oceânicas da estância de veraneio de Salinópolis são extensas e contam com infra-estrutura turística completa.

Mas para quem gosta de unir o sol e sal a uma ecologia diferente, o ideal são as praias de Bragança – espaços de areia alva que intercalam um dos maiores manguezais do mundo. E, para uma experiência mais rústica, a alternativa são as praias de Algodoal. Essas praias são acessíveis por via rodoviária, distante de Belém entre 200 a 300 quilômetros.

Em Belém, Barcarena, Soure e Salvaterra, as praias são fluviais e permanentes. Elas ficam na foz do rio Amazonas, tendo forte influência da maré.

As praias de Belém localizam-se nas ilhas de Mosqueiro, Outeiro e Cotijuba, com acesso rodoviário ou fluvial, a pouca distância da cidade. As praias de Barcarena são acessíveis a partir de Belém, por via rodoviária ou fluvial. As praias de Soure e Salvaterra ficam na ilha do Marajó. O acesso a elas é por via fluvial (barco ou balsa) e rodoviária.

Dentre as praias fluviais temporárias, as mais importantes são as de Alter do Chão, em Santarém; Tucunaré, em Marabá; e Gaivota, em Conceição do Araguaia.

Algodoal
O nome é Maiandeua (Mãe da Terra), mas é como Ilha de Algodoal que o local é mais conhecido. Esse pedacinho do céu está no município de Maracanã - região do Salgado. São 165 km pela rodovia BR-316 e PA-127.

A vila de Algodoal, além de ser a principal ilha, possui a melhor infra-estrutura para acomodação de turistas. As quatro vilas (Algodoal, Fortalezinha, Camboinha e Mocooca) são separadas entre si por porções de manguezais e seccionadas em alguns pontos por canais de maré.

Os 19 km² da Ilha de Algodoal são marcados pela tranqüilidade, pelos cenários maravilhosos que atraem turistas de todo o mundo. A comunidade da ilha é formada por pessoas simples e receptivas que vivem, basicamente, da pesca, da agricultura de subsistência e, ultimamente, do turismo.

As praias da região do Salgado apresentam uma peculiaridade especial: todas sofrem influência das marés dos rios amazônicos, o que faz com que, de seis em seis horas, haja uma variação significativa no nível do mar. Nos períodos de maré baixa, a água recua centenas de metros e forma lagoas naturais que são muito bem aproveitadas pelas crianças.

A praia da Princesa - na Ilha de Algodoal - tem quase 14 quilômetros de extensão e foi classificada pela revista americana Time como uma das dez mais bonitas do Brasil. Quem a conhece sabe que a classificação é justa. Na Princesa, há bares que funcionam nos períodos de alta temporada. Nesses bares é possível encontrar refeições simples, como peixe frito e caldeirada, lanches e as bebidas mais consumidas no Brasil: cerveja e caipirinha.

Alter do Chão
Uma das praias fluviais de rara beleza do Oeste paraense. Fica na vila de mesmo nome, conhecida como “Caribe Amazônico”, em Santarém . Alter do Chão é a principal atração e também um dos roteiros mais procurados por turistas estrangeiros, que vêm atrás das belezas selvagens e quase inexploradas da Amazônia. A praia de Alter do Chão surge quando as águas do rio Tapajós baixam, no período de agosto a dezembro.

Para chegar a esse lugar paradisíaco, vale enfrentar a distância dos 850 quilômetros de avião, que separam Belém de Santarém. E se extasiar com uma das primeiras visões de quem chega à região: o encontro do rio Amazonas, com suas águas escuras, e o rio Tapajós, em tons de azul-esverdeado. Os dois rios nunca se misturam. Mais 30 km, pela estrada estadual PA-457, e finalmente estamos em Alter do Chão.

Mesmo na época da maré baixa, a dica é ficar nas barraquinhas instaladas ao longo da praia, na restinga que se forma com a seca do Tapajós.

Barcarena


A região é banhada pelo rio Tocantins onde, no verão, formam-se belas praias como:

Vila do Conde - Localizada na Vila do Conde, é banhada pela baía do Marajó. Possui grande extensão e é formada de areia branca e alva. Arborizada, a praia dispõe também de barracas especializadas na venda de comidas e de bebidas. Está situada a uma distância aproximada de 22 km, por via rodoviária, da cidade de Barcarena.

Caripi - Também na baía do Marajó, possui uma extensão de aproximadamente 3 km. Formada de areia branca e fina, sua vegetação é variada. Na praia do Caripi, uma atração especial chama a atenção dos visitantes: a Casa da Árvore, parte das instalações do Hotel Samaúma, que combina o conforto moderno ao espírito de aventura.

Itupanema - A praia está localizada na Vila de Itupanema. O acesso é rodo-fluvial, pela estrada que liga Barcarena ao complexo Albrás. Possui grande extensão e situa-se à margem da Baía do Marajó. Sua formação é em grande parte constituída por areia amarelada e rochedos. Apresenta arborização variada, com predominância de árvores frutíferas.

De Barcarena partem embarcações com destino a Itupanema. A viagem acontece entre furos e igarapés. Itupanema é uma pequena vila de pescadores de onde se pode avistar, de um lado, a Ilha do Marajó e do outro o porto de Vila do Conde.

Carnapijó - A Vila do Carnapijó está distante 14 km por via rodoviária (PA-151) da cidade de Barcarena. O local é de propriedade particular, mas está aberto à visitação pública. A praia que circunda o local, em quase toda a sua extensão, é constituída de pedra e argila. O visitante vai encontrar árvores frutíferas como: mangueiras, coqueiros, taperebazeiros e açaizeiros. A praia é banhada pela baía do Marajó tendo em frente a Ilha das Onças. A vila do Carnapijó provoca grande deslumbramento. No local há um monumento com a imagem de Nossa Senhora do Tempo.

A Ilha de Itambioca, em Barcarena, também possui uma infinidade de praias pouco exploradas, que merecem um passeio especial.

Bragança
Praia de Ajuruteua - Município de Bragança / Pará

A margem esquerda do rio Caeté abrigou Vila Sousa de Caeté, primeiro povoado de Bragança. O município de Bragança possui uma paisagem exuberante e praias que seduzem com suas águas claras e areia fina, além de um vento constante. O silêncio desta cidade só é quebrado pelo ritmo da Marujada, festa em devoção a São Benedito – padroeiro de Bragança.

Às margens do rio está a igreja de São Benedito, construída pelos jesuítas e onde, desde 1798, acontece a maior festa religiosa do município. Visitar Bragança é ter a oportunidade de verificar como passado e presente interagem. Um dos locais obrigatórios de visita é o palacete Augusto Corrêa, sede da prefeitura do município. O prédio é uma cópia fiel do palácio de Bragança, em Portugal.

Há também a antiga praça da Estação de ferro Belém-Bragança - atualmente, praça Augusto Montenegro.
Ajuruteua – Vila distante 36 quilômetros de Bragança - oferece um espetáculo à parte ao longo do percurso. Nas estradas pavimentadas pode-se observar a vegetação de mangue e ninhais de garças e guarás que encontram na ilha de Canelas um local seguro para a preservação da espécie. Outra cena rotineira é protagonizada pelos caranguejos na estrada, principalmente as fêmeas que, na época da procriação, atravessam a pista atrás de um lugar seguro para suas crias. Por isso, é bom tomar cuidado e obedecer às placas de sinalização que indicam "Atenção. Reduza a velocidade. Caranguejo na pista.”

Logo na entrada da Vila está a praia de Campo do Meio. É nela que durante as férias centenas de pessoas buscam diversão; possui infra-estrutura de pousadas, bares, restaurantes e lanchonetes.

Para quem quer curtir a natureza de uma forma mais sossegada há um lugar garantido: as praias do Farol Velho e do Pilão são as mais indicadas. À direita do Campo do Meio há a vila dos pescadores, onde, aliás, é sempre bom dar uma paradinha para ouvir as muitas "estórias" dos moradores. Uma das mais curiosas é sobre a carcaça de um navio que existe na vila. Eles contam que, há mais ou menos 300 anos, o navio - que vinha da África cheio de escravos - afundou naquela região. Muitos morreram e os que sobreviveram voltaram nadando até o continente africano. E eles contam mais. Dizem que durante a noite o navio fica todo iluminado. Se for ou não história de pescador, o que vale mesmo é desfrutar do cenário deslumbrante dessa praia.

Conceição do Araguaia


É sobre o Araguaia que ficam as praias da pequena Conceição do Araguaia, localizada no Sudeste Paraense. O Araguaia é um dos mais belos rios que cortam o território paraense, de águas claras e transparentes. A praia da Gaivota é a mais freqüentada. Um pouco mais distantes do centro da cidade, as praias da Macedônia, Verde e Caldeirão são as mais selvagens.

Marabá


A praia do Tucunaré tem aproximadamente 5 quilometros, está situada nas águas do rio Tocantins. Possui areia fina, seixo, uma pequena vegetação e muitas lendas e histórias. Foi o primeiro local onde se registrou ocorrência de diamantes, um dos mais importantes ciclos econômicos da região

A praia emerge na vazante do Tocantins, logo após o período de chuvas, geralmente a partir do mês de abril. É muito procurada na alta estação - julho e novembro - tornando-se a principal atração turística da cidade. A praia proporciona ao veranista a prática de esportes náuticos e de areia, além de camping e pesca esportiva.

Mosqueiro


O caminho para se chegar ao distrito de Mosqueiro começa na BR-316, depois é só seguir pela PA-191 e, depois de aproximadamente 60 quilômetros percorridos, conhecer os atrativos deste balneário que possui algumas das poucas praias de rio com ondas existentes no mundo. São 21 no total, propícias para prática de surf. O período de alta temporada acontece nos meses de junho e julho - no verão amazônico. Mosqueiro é rica em pequenos rios e igarapés cujo destino são ilhotas irresistíveis para os praticantes de Ecoturismo.

Salinópolis (ou Salinas)
Com uma temperatura média anual de 27,07ºC, máxima em torno de 31,07ºC e mínima de 25,02ºC, o município de Salinópolis é destino certo para quem gosta da combinação praias e conforto urbano.

O município fica na zona do Salgado – Amazônia Atlântica, onde encontramos belas praias oceânicas, como as de Marudá e Algodoal; ou ainda Ajuruteua, em Bragança. A Amazônia Atlântica possui uma mistura equilibrada de praias oceânicas, manguezais e ilhas selvagens. Não é raro encontrar, nas estradas que levam à região, bandos de guarás.

Salinópolis é uma estância hidro-mineral, e ao visitá-la não esqueça de beber um pouco da água da Fonte do Caranã, no centro da cidade. Atalaia, Corvina, Maçarico - a mais antiga -, Farol Velho, Cocal, Marieta e Pilão são as riquezas de Salinópolis. São mais de 20 km de praias de água salgada e dunas de areia fina nas proximidades do rio Pará.

No Atalaia, um lago de água doce limpa, conhecido como lago da coca-cola, é parada certa para quem quer se refrescar um pouco da água salgada. Mais distante e selvagem, a praia da Marieta é a preferida dos surfistas, mas o acesso até lá é feito exclusivamente em barcos. 

Fonte: Portal Cultura

1 comentários:

Elizabete disse...

As praias mais linda do Brasil está no Pará.

Postar um comentário

 
SouParaense.com | by Newton Costa© desde 2010